• Home
  • /
  • Notícias
  • /
  • Verão pede proteção: janeiro marca campanha de conscientização e combate ao câncer de pele

Verão pede proteção: janeiro marca campanha de conscientização e combate ao câncer de pele

04/01/2024

Compartilhe:

Atenção Primária à Saúde promove programação entre os dias 9 e 25 de janeiro a fim de disseminar informações a respeito da identificação, fatores de risco e tratamento da doença

Primeira campanha do ano em Extrema, a Secretaria Municipal de Saúde realiza em janeiro o “Verão pede proteção”, que busca conscientizar a população sobre o câncer de pele e combater este que é o tipo mais comum em todo o mundo. Com esta finalidade, a Atenção Primária à Saúde realizará uma busca ativa por pacientes, assim como diversas ações nas ESFs da cidade. Confira a programação completa.

Para participar, o cidadão deve se dirigir às Estratégia de Saúde da Família (ESF) nos dias e horários divulgados. Durante o período da campanha não é necessário fazer agendamento, basta comparecer às unidades, onde o paciente receberá orientações e a possibilidade de realizar uma consulta médica.

O câncer de pele

Segundo o Mistério da Saúde, o câncer de pele é responsável por 30% de todos os casos de tumores malignos registrados no Brasil, sendo mais incidente em pessoas brancas maiores de 40 anos. A doença pode ser dividida em dois tipos: melanoma, com origem nas células produtoras de melanina, que determina a cor da pele; e não melanoma, mais comum e menos letal.

O tipo melanoma é mais grave por conta da alta probabilidade de metástase, que é quando a doença se espalha pelos órgãos, e corresponde a 3% dos diagnósticos de câncer de pele no país. Já o não melanoma provoca menos mortalidade e tem altas chances de cura desde que seja tratado precocemente.

No geral, a doença se manifesta principalmente em regiões do corpo mais expostas ao sol, como rosto, pescoço e orelhas. Os principais sintomas são o aparecimento de manchas que coçam, descamativas ou que sangram; sinais ou pintas que mudam de tamanho, forma ou cor; feridas que não cicatrizam em 4 semanas.

Entre os fatores de risco estão as pessoas de pele e olhos claros ou albinas; com histórico de câncer pessoal ou familiar; com doenças cutâneas; que trabalham sob exposição direta do sol, entre outros. Vale destacar que, se não tratado, o câncer pode causar mutilações graves até mesmo nos casos mais brandos.

Confira a programação para o mês: