Secretaria de Governo

Nota de Esclarecimento da Prefeitura de Extrema

10/07/2020

A Prefeitura de Extrema vem esclarecer e lamentar a reportagem do G1 Sul de Minas e da emissora EPTV Sul de Minas publicado no dia 9.07.20 com o título e subtítulo:

Média de casos de Covid-19 por mil habitantes preocupa em cidades do Sul de Minas.

Extrema mantém maior média, mas outros municípios da região têm visto o número crescer com o decorrer da pandemia.

A reportagem fica longe de cumprir sua função de esclarecer e informar. Ao usar apenas um único indicador (o número total de casos confirmados) e se basear na declaração:

“Segundo um médico infectologista responsável pelo serviço de epidemiologia e controle de infecções em vários hospitais de Belo Horizonte, o município possui um número muito alto até na comparação com cidades maiores.”

O texto apenas leva insegurança à população e põe em xeque todo o esforço da Administração Municipal e equipes de Saúde do município.

Desde que a pandemia foi deflagrada, Extrema segue rigorosamente os protocolos da Organização Mundial de Saúde, do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais.

Todas estas organizações concordam num ponto crucial para o enfrentamento: a capacidade de realizar os exames em escala. Quanto mais ampla a testagem aplicada por um sistema de saúde, mais casos pouco graves são detectados.

Testando pouco, pode-se dizer que a Covid está sendo vencida, mesmo que os cidadãos estejam sendo derrotados.

Extrema já investiu desde o começo da epidemia mais de R$ 6 milhões preparando a cidade para o enfrentamento baseado em critérios científicos, sempre em acordo com as outras esferas de Governo.

Em Extrema, a postura da Administração Municipal é de transparência dos dados, notificação dos casos da doença imediatamente para atuação das equipes de saúde, busca ativa dos casos atendidos em todos os serviços de saúde do município e laboratórios que realizam os testes para COVID, contrariando o que foi dito na reportagem.

Um único indicador foi citado, sem considerar os dados importantes de resultados em saúde pública. Não foram apresentados os dados atuais da Secretaria Municipal de Saúde com indicadores importantes e consequentes à estratégia utilizada de testagem:

::  baixa taxa de mortalidade 19,3%;

:: baixa taxa de letalidade 1,51%;

::número alto de curados 77%;

O que nos traz uma informação importante de taxa de sobrevida alta.

A cidade mantem monitoramento de todos os casos identificados, diminuindo a internação e busca pelo serviço de saúde através da telemedicina aplicada no município desde o início da pandemia.

Extrema testa todos os casos com sintomas respiratórios, identificados precocemente, aumentando o percentual de cura.

Enquanto Minas Gerais realiza 2,2 testes a cada mil habitantes; o estado de São Paulo realiza 40,06 testes a cada mil habitantes; Extrema realiza 50,6 testes a cada mil habitantes. A maior média do Sul de Minas e uma das maiores de Minas Gerais.

Parece óbvio então que a cidade mantenha o maior número de casos confirmados de Minas Gerais, entretanto, o sucesso da estratégia se justifica ao analisar a letalidade da doença.

Em São Paulo a letalidade é de 5,24%, em Minas Gerais é de 2,11% e no município é de 1,51%.

Analisando os números divulgados pela própria EPTV temos:

:: Extrema com 477 casos confirmados e 7 mortes

:: Pouso Alegre com 430 casos confirmados e 10 mortes

:: Varginha com 201 casos confirmados e 6 mortes

:: Três Corações com 188 casos confirmados e 6 mortes

:: Poços de Caldas com 271 casos confirmados e 8 mortes

:: Lavras com 159 casos confirmados e 16 mortes

Os números confirmam que a estratégia que não testar traz um alto preço para o cidadão. Também confirma o quanto o veículo de imprensa está distante de sua missão de informar e contribuir para o esclarecimento da população.