• Home
  • /
  • Notícias
  • /
  • 28 de junho: Dia Internacional do Orgulho celebra a vida, resistência e sobrevivência da comunidade LGBTQIAP+

28 de junho: Dia Internacional do Orgulho celebra a vida, resistência e sobrevivência da comunidade LGBTQIAP+

28/06/2023

Compartilhe:

Data recorda a Revolta de Stonewall, em 1969, que resultou em protestos e marchas contra o preconceito e no fortalecimento da luta pela garantia de direitos da comunidade gay, trans, travesti, lésbica, entre outras pluralidades

Nesta quarta-feira (28), a Comunidade LGBTQIAP+ celebra o Dia Internacional do Orgulho, data marcada por marchas e diversas manifestações populares contra a LGBTfobia e em favor da diversidade na identidade de gênero e/ou orientação sexual. Apesar de a pluralidade ser frequentemente lembrada pelo comércio, empresas e mídia neste sexto mês do ano, são poucos os que realmente conhecem a história por trás do 28 de junho.

Para entender a importância do Dia Internacional do Orgulho é preciso olhar para a Nova York (EUA) de 1969, numa época em que demonstrar qualquer traço fora dos padrões estipulados para homens e mulheres, principalmente na vestimenta, era considerado homossexualidade, e esta, por sua vez, tida como crime. Poucos locais acolhiam a comunidade neste período, sendo um deles o bar Stonewall Inn, que sofria recorrentes e violentas abordagens policiais.

No dia 28 de junho daquele ano, os frequentadores do bar reagiram à agressividade dos agentes de segurança, gerando o que ficou conhecido como “Revolta de Stonewall”, que levou a comunidade LGBTQIAP+ para as ruas de Nova York por vários dias. A partir daí nasceram as marchas, que com o passar dos anos deixaram as fronteiras estadunidenses e se espalharam por todo o planeta como “Paradas do Orgulho”.

Aqui no país, a LGBTfobia é considerada crime (entendimento baseado na Lei 7.716, de 5 de janeiro de 1989), mas ainda assim o Brasil é a nação que mais mata pessoas LGBTQIAP+ no mundo. Por isso, entre as reivindicações apresentadas pela comunidade está a garantia de direitos para que a orientação sexual e a identidade de gênero deixem de ser vinculadas ao crime, anormalidade, pecado, promiscuidade e doenças.

Portanto, o Dia do Orgulho é motivo de celebração da vida, resistência e resiliência para pessoas que, em meio ao preconceito, lutam pelo direito de existir e pelo sonho de um país inclusivo, onde pessoas LGBTQIAP+ tenham a possibilidade de viver plenamente, sem a preocupação em sobreviver.